Rio 2016: Operação da PF mira compra de votos do COI; Nuzman é alvo

A Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF) realizam operação na manhã desta terça-feira (5) para prender suspeitos de comprar jurados das eleições da cidade sede das Olimpíadas de 2016. A operação, que foi nomeada Unfair Play, é mais uma etapa da Lava Jato no Rio de Janeiro. Um dos alvos é Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Rio 2016. Os agentes estavam em sua casa, no bairro do Leblon, por volta das 6h para cumprir mandados de busca.  As investigações apontam que Nuzman teve participação direta nos atos de compra de votos de membros Comitê Olímpico Internacional (COI) para os jogos e que teria sido o responsável por fazer a intermediação entre as partes envolvidas no esquema de corrupção. O Ministério Público das Finanças francês já estava apurando a compra de votos e está trabalhando com o Ministério Público Federal em um acordo de cooperação. Há autoridades francesas acompanhando a ação na casa de Nuzman. Há um mandado de prisão preventiva contra Arthur Cesar de Menezes, conhecido como Rei Arthur (ex – dono da fornecedora do Estado chamada Facility), e outro contra Eliane Pereira Cavalcante, ex-sócia dele na empresa. Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio. O dinheiro operado no esquema era fornecido pelo empresário Arthur Soares, que chegou a ter contratos com o governo do Estado que somavam milhões de reais. Ele abastecia uma conta no Caribe, que era gerenciada por um operador financeiro do grupo de Sérgio Cabral. Arthur Soares vive em Miami, nos Estados Unidos, e pode ser preso ainda nesta terça. Já a participação de Eliane envolve a empresa Facility possuía contratos milionários com o governo do Estado na gestão de Sérgio Cabral para fornecimento de pessoal e de serviços.

Fonte: Bahia Notícias

Foto: Reprodução / TV Globo

Comentários