Promessa de aporte de R$ 5,6 bilhões, mais ofertas e até data de início: como está o projeto da Liga do Brasil

Em julho de 2021, 19 dos 20 clubes da Série A apresentaram à CBF um documento em que informava a estruturação para a criação de uma Liga. O tempo passou, o projeto quase se dissolveu, mas, parece ter retomado e, ao que tudo indica, planeja ter início em 2023.

De acordo com o jornal O Globo, o próximo passo a ser dado é a análise da proposta que será feita pela Codajas Sports Kapital, representada por Flavio Zveiter, Ricardo Fort e Lawrence Magrath.

O trio se comprometeu em investir 1 bilhão de dólares, cerca de R$ 5,6 bilhões. O valor compraria 25% da Liga e se vincularia a ela por 75 anos. O aporte é de uma empresa norte-americana, a Advent International.

Com o prazo dado de 60 dias, e que está prestes a expirar, a ideia é que a proposta seja feita até o próximo dia 15 de janeiro.

Dos 20 clubes da Série A, 16 já assinaram o pré-acordo com a Codajas. Apenas América-MG, Athletico-PR, Sport e Juventude não concordaram com a minuta inicial.

Um banco foi contratado para calcular o real valor da Liga. Acredita-se, segundo O Globo, que o montante da empresa norte-americana não seja suficiente para comprar 25%. Ainda, o vínculo de 75 anos está sendo reconsiderado e deve tornar-se mais curto.

Outro ponto a ser discutido é a quantia que será repassada a cada clube, que não será igualitária. Vários fatores estão sendo analisados, como desempenho no Campeonato Brasileiro de pontos corridos e mata-mata, tamanho das torcidas, capacidade de levar o torcedor ao estádio e volume de vendas no pay per view.

A proposta também será estendida aos participantes da Série B. Além disso, uma parte também será destinada ao fomento do futebol feminino.

Além da Codaja, há também outras empresas interessadas. Segundo o veículo, uma outra norte-americana e duas britânicas também têm interesse na Liga.

Fonte: ESPN.com.br