Pela quarta vez na história do Intermunicipal o extremo sul tem duas equipes envolvidas em uma semifinal

Seleção de Euclides da Cunha. Foto: Euclidesdacunha.com.br

Acertaram aqueles que logo assim que foi aberto o Congresso Técnico promovido pela FBF, pertinente ao certame/2017, e na sequência a Federação divulgou os grupos e os respectivos confrontos, muitas pessoas que acompanham o Intermunicipal de perto foram enfáticas ao dizer que o grupo da morte (16), estaria no extremo sul, grupo que seria formado por Eunápolis, Itabela, Itamaraju e Teixeira de Freitas. Tendo ainda mais uma representante da região que foi a seleção de Porto Seguro que compôs outro grupo.

A classificação de Eunápolis e Itabela para as semifinais não deixa qualquer dúvida quanto a força do grupo 16, que além das duas, tinha ainda a seleção de Itamaraju, cuja foi eliminada por Porto Seguro que chegou as quartas de finais, sendo eliminada por Euclides da Cunha é o adversário de Itabela nas semifinais. Tal façanha demonstra a força do extremo sul nos últimos anos.

Reportando o que diz o título desta matéria, confira a seguir. No ano de 2007, chegaram nas semifinais, Itamaraju que foi eliminada por Coité e Porto Seguro que venceu Araci e perdeu na sequencia o título para Coité. Em 2013, pela segunda vez, esta, porém com ingredientes apimentados pelo fato de ter sido um confronto regional. E quem não se lembra do confronto em Itamaraju x Porto Seguro, em que fomos derrotados por 1 tento a 0 em pleno Barbozão, e no jogo de volta, este realizado em Eunápolis pelo fato de o Estádio de Porto está em obra haja vista que seria sub sede da Suíça na fatídica Copa de 2014. E por falar em fatídica, aquela tarde no Araújão não foi diferente em termos de decepção para os itamarajuenses não. Itamaraju vencia Porto Seguro por 2 tentos 0, isto até os 37 minutos do segundo tempo quando levamos um gol e fomos eliminados nos pênaltis. Há dois anos (2015), Itamaraju foi eliminada por Uruçuca, enquanto que Eunápolis era também eliminada por Maro/Maro (Santo Amaro), que por coincidência é o mesmo adversário.

Seleção de Itabela. Foto: Folha Baiana

Relembrando, 2007, 2013, 2015 e 2017; foram quatro vezes em que duas seleções da região (extremo sul) chegaram as semifinais.

As ótimas campanhas de 2013/15 e 17 (semifinal/final) mais o vice-campeonato de Itabela no ano passado (2016), deixa claro que mais um título para a região extremo sul está maduro.

Reitero que em 2013, ano em que eliminou Itamaraju, Porto Seguro foi vice de Itajuípe.

Pertinente a título, há quem diga por aqui, que só se for para Itamaraju. Afinal de contas, observando as boas participações de Itabela e Eunápolis, isso faz com que a rivalidade cresça ainda mais.

Diferente de outros tempos, Itabela com o vice em 2016, juntando-se a ótima campanha deste ano, já tem também a sua torcida organizada a exemplo de Porto Seguro e principalmente Itamaraju. Digo isso porque tive a oportunidade de conferir de perto quando do confronto Itabela 2 x 0 Alagoinhas, onde o torcedor jogou junto com o time itabelense com direito a charanga e tudo mais.

Seleção de Santo Amaro. Foto: Maromaro.com.br

Pertinente a torcida, quem está abaixo mesmo é Eunápolis. Mas logo, o torcedor toma gosto pela coisa, principalmente na situação em que o time se encontra no momento. E se de repente chegar uma final, a tendência é crescer tal qual Itabela.

O bom de tudo isso é o fortalecimento do futebol da região. Acredito que a ascensão de Itabela e Eunápolis se deve muito a Copa do Descobrimento. Competição que não se pode compará-la ao Intermunicipal. Porém, com um custo infinitamente menor e uma premiação que não fica tão distante da que é ofertada pela a FBF não, além de servir como motivação para as Ligas da região. Pena que as Ligas têm se interessado muito pouco, principalmente Itamaraju e Porto Seguro, bicampeã e campeã respectivamente do Intermunicipal.

Itamaraju por ser bicampeã do Intermunicipal, não quer (queria) nem ouvir falar de Copa do Descobrimento, cuja já vai para sua 6ª edição. Menosprezo total. Mas isso faz parte do passado, pois o atual presidente Rogerio, que tem uma visão totalmente diferente de antigos diretores, a enxerga como sendo uma ótima oportunidade de se revelar jogadores da região e principalmente da casa para futuras convocações, tanto é que dá como certa a participação da seleção no certame vindouro (2018).

Seleção de Eunápolis. Fotos: Ligeirinho no Esporte

Por Antônio Reis Viana/Os Feras da Bola

Comentários