Fogos de artifício, delegacia e provocação rival: Os bastidores do acesso da Juazeirense

Se no domingo (13) a Juazeirense concretizou um sonho almejado desde o início da temporada, a madrugada que antecedeu o acesso à Série C foi um pesadelo para os jogadores, comissão técnica e diretores do clube baiano. Como adiantado pela coluna De Chapa desta segunda-feira (14) (entenda aqui), a delegação baiana passou por maus bocados.

Em nota, o clube informou ao Bahia Notícias os detalhes que antecederam o jogo decisivo na Arena das Dunas. O grupo foi acordado às 1h30 por conta de fogos de artifício disparados do jardim do hotel em que estavam hospedados, segundo boletim de ocorrência registrado numa delegacia da Polícia Civil de Natal, local do jogo contra o América-RN.

A polícia foi chamada pelos dirigentes do Cancão. No entanto, quando os policiais chegaram no local, não havia ninguém. O foguetório durou cerca de 30 minutos. Quando, novamente, às 4h, os fogos voltaram a ser disparados, a polícia voltou a ser chamada e avistou três pessoas, que fugiram num veículo Fiesta.

No comunicado, a agremiação ainda revela ter tido uma sabotagem nas instalações elétricas do hotel, o que causou tumulto de hóspedes, às 6h, por conta de um curto-circuito.

Em vídeo, o presidente da Juazeirense, Roberto Carlos, mostrou as sobras dos fogos de artificio, momentos antes da partida. Ele definiu as provocações como ‘truculentas’, ‘despreparadas’ e ‘arrogantes’ de torcedores e até ‘de alguns dirigentes’ do clube potiguar.

Boletim de ocorrência registrado em Natal – Foto: Divulgação

Por Leandro Aragão / Matheus Caldas

Comentários