Diretoria do Galícia faz investimentos no CT e nas categorias de base

Com as reformas do Parque Santiago iniciadas, o Galícia está com problemas para desenvolver o trabalho da equipe. O presidente do clube, Manolo Muiños, comentou em entrevista para a Rádio Câmara 105.3 FM sobre o início das obras, além de investimentos e planos para o time.

Foto: Hilton Oliveira / Galícia EC

Sobre o espaço do Centro de Treinamento, Muiños falou que para começar a reparação do local foi preciso solucionar questões jurídicas. A área “pertence ao Abrigo Salvador e eles tinham uma ação judicial. Felizmente conseguimos resolver e sanar esse problema, que foi para a gente um grande passo, porque vamos conseguir manter a nossa casa”, declarou o presidente.

Ele contou que, com a ajuda de um grupo de investidores, a etapa inicial de melhorias no clube são os cuidados com o Parque Santiago e a estrutura das suas dependências. “E futuramente, com certeza, também na parte do futebol”, completou, se referindo sobre as próximas fases que o Galícia pretende investir.

Questionado sobre o trabalho com as categorias de base, Muiños comentou sobre a importância de desenvolver a identificação dos jovens com o clube. “O futebol precisa ser visto dessa maneira, com o trabalho de base, para você criar uma identificação”, declarou o presidente. “O Galícia é um clube que perdeu um pouco de sua torcida por ter ficado um pouco afastado de competições e hoje a gente tem essa preocupação de tentar buscar no jovem uma identificação pelo clube”, completou.

Ele ainda acrescentou que outra etapa desses investimentos que estão sendo feitos também está relacionado com os grupos da base. Muiños admitiu que revelar talentos também é um fator que atrai investidores e é um dos trabalhos que o Galícia tem feito.

Sobre a participação do time na série B do Campeonato Baiano e a tentativa de subir para a Série A, o presidente falou que essa é a vontade da equipe, mas que as reformas, atualmente, atrapalham a preparação dos jogadores. “Estamos com um problema, que, por conta dessas obras vamos ficar um período sem as instalações para poder fazer o trabalho, mas a gente tá buscando alternativas para realmente participar”.

O presidente ainda criticou o torneio estadual. “É um campeonato altamente deficitário, porque tem um custo muito elevado”, ressaltou Muiños. De acordo com ele, existe uma mobilização dos clubes da Série B do torneio para mudar o formato do campeonato, mas precisa de apoio de mais equipes e da Federação Baiana para conseguir definir essa mudança.

As obras no CT Parque Santiago foram iniciadas no início de fevereiro deste ano e as atividades devem ser retomadas no local a partir do dia 3 de março. As equipes do clube estão disputando a Série B do estadual e campeonatos da base.

Fonte: Bahia Notícias

Comentários