Desportista e mototaxista, Zequinha foi sepultado na manhã desta quarta (26)

Com muito pesar, a Associação dos Mototaxistas de Teixeira de Freitas (Asmotef) informa a toda sociedade teixeirense o falecimento de José Santana dos Santos, conhecido como ‘Zequinha Mototaxista’, aos 46 anos.

Há cerca de 15 anos na profissão, Zeca era morador da Urbis, casado, tinha duas filhas. Muito querido pelos colegas e amigos, deixou também sua contribuição para o esporte de Teixeira como desportista; ele foi ex-técnico da equipe Varejão das Baterias.

Acometido por um tumor no baço, chegou a buscar tratamento em Vitória (ES). Desenganado após tentativa de cirurgia, ele retornou para Teixeira de Freitas, vindo a falecer nesta madrugada de terça-feira, 25 de junho.

Abalados pela perda dolorosa, mototaxistas fizeram o cortejo do corpo até a Capela Santo Antônio, localizada aos fundos da CDC. O sepultamento está marcado para as 09 horas de amanhã (26), no cemitério Jardim da Saudade, na av. São Paulo.

“Que nosso bom Deus conforte os corações dos familiares e amigos. Perdemos uma grande pessoa”, disse Dil do Varejão das Baterias.

Colegas fazem cortejo em homenagem a “Zequinha Mototaxista”

Na manhã desta quarta-feira, dia 26, cetenas de mototaxistas realizaram o cortejo do corpo de José Santana dos Santos, conhecido como ‘Zequinha Mototaxista’, por ruas e avenidas de Teixeira de Freitas. A homenagem marcou o carinho pelo colega e o respeito aos familiares no seu sepultamento.

Zequinha faleceu na madrugada de ontem, 25, em Teixeira, pouco tempo após retornar de Vitória (ES), onde foi em busca do tratamento de um tumor.

O enterro aconteceu no Cemitério Jardim da Saudade. O corpo de Zequinha foi velado na Capela Santo Antônio, aos fundos da CDC, de onde saiu por volta das 09 horas, cortejado por centenas de colegas mototaxistas. Houve buzinaço e aplausos durante pontos do percurso.

No trajeto até o local do sepultamento, amigos e familiares passaram pela av. Getúlio Vargas e av. Mal. Castelo Branco, pelo ponto onde Zequinha trabalhava nas imediações do Supermercado Faé, tendo exercido sua profissão já há cerca de 15 anos.

Com auxílio de autoridades de trânsito, o corpo chegou à av. São Paulo e, em seguida, por um corredor humano já no cemitério, recebendo dos colegas o reconhecimento por sua amizade e contribuição com a classe e sociedade teixeirense.

Por Elizeu Portugal/O Sollo

Comentários