Como a pandemia afetou a seleção e quais os planos para a retomada

A pandemia de Covid-19 paralisou o mundo do esporte como um todo e, dentro dele, está a seleção brasileira. A equipe de Tite precisou fazer alterações no planejamento enquanto a bola parou de rolar e, agora, começa gradualmente a retomar a sua rotina. O desafio será continuar a renovação após a conquista da Copa América em meio ao calendário alterado e as incertezas do atual momento do futebol.

O último dia trabalho em que membros da comissão técnica da seleção foram até a CBF para uma reunião in loco foi no dia 16 de março. Depois de uma semana sem atividades, todos aderiram à onda do trabalho virtual e passaram a se encontrar nas telas de seus celulares uma vez por semana.

Sem bola rolando, o tema das reuniões foi o estilo de jogo considerado ideal por Tite e seus auxiliares e maneiras de chegar até lá, com vídeos, métodos de treinos e debates que aumentaram a base de dados da CBF.

Por enquanto, a CBF trabalha com a informação da Fifa que as Eliminatórias começarão em setembro, mas a entidade sabe que isso pode mudar de acordo com o ritmo da pandemia e de acordo com o comportamento de cada país.

Há algumas apostas que o treinador precisará decidir se vai fazer ou não. Bruno Guimarães é o exemplo mais claro dessa situação. Em alta após um excelente Pré-Olímpico em janeiro e contratado pelo Lyon, ele não joga desde o dia 8 de março. Em uma eventual convocação para setembro, ele pode estar fora de ritmo ou não retomar o mesmo nível apresentado antes da pandemia.

Fonte: UOL Esportes

Comentários