CBF divulga números da pandemia no futebol e defende realização de jogos: “É seguro, responsável e controlado”

A CBF divulgou na manhã desta quarta-feira, numa transmissão ao vivo por meio do seu canal no Youtube, um relatório da efetividade do protocolo de segurança e combate ao coronavírus e defendeu a continuidade dos campeonatos nacionais, organizados pela entidade, em meio ao auge da pandemia no Brasil.

Walter Feldman, secretário-geral da CBF — Foto: Tatiana Korps/Divulgação

– A aplicação do protocolo sanitário, com a convicção ainda mais forte que nós já tínhamos no ponto de vista teórico, em agosto, quando retomamos. Mas agora com convicção da aplicação na prática. O futebol é seguro, controlado, responsável e tem todas as condições de continuar – disse Walter Feldman, secretário-geral da CBF, antes de passar a palavra ao médico Jorge Pagura.

Esse é o pior momento da pandemia no Brasil. Nas últimas 24h, 1.954 pessoas morreram no país vítimas da Covid-19, um recorde. Ao todo, o Brasil perdeu 268.568 vidas para o vírus até a noite de terça. Só em março, já são 13.550 mortes registradas em solo brasileiro.

O coordenador médico da CBF concluiu reafirmando o que disse Feldman: que o futebol é uma atividade “segura e responsável”.

– A CBF protegeu os jogadores. Não só isso, ela protegeu quando foi buscar o positivo e tirar ele de circulação. Não só do futebol, mas das atividades do dia a dia. E isso pode realmente ser aplicado para a manutenção de algumas atividades. Eu tenho absoluta convicção que, seguindo as medidas, posso afirmar que o futebol mostrou-se uma atividade responsável e segura.

No fim da apresentação do relatório, Feldman e os médicos responderam a perguntas enviadas por jornalistas. Uma delas foi sobre como realizar partidas da Copa do Brasil em cidades com restrições.

– A posição da CBF, federações e clubes é de que o calendário deve ser mantido como contribuição do futebol e combate a pandemia. As partidas da Copa do Brasil estão mantidas. Se houver estado ou cidade que não podem receber jogos, há uma decisão do ano anterior que elas seriam realocadas para outras cidades ou estados – respondeu Feldman.

Por Globoesporte.com

Comentários