Campeão do Intermunicipal 2018 por Itamaraju, goleiro Geovane não interessa mais ao Bahia e deverá retornar para o Vitória da Conquista

A possível venda do goleiro Geovane do Vitória da Conquista para o Bahia não deve mais acontecer. De acordo com a Assessoria de Comunicação do Esporte Clube Bahia, o tricolor está negociando a rescisão contratual do atleta e não tem interesse no goleiro para a temporada 2020.

Geovane está emprestado ao Bahia desde abril de 2019 e estava atuando no time de transição (jogadores que já passaram dos 20 anos e não podem mais atuar pelo Sub-20 e ainda não estão sendo aproveitados na equipe profissional), no qual esteve como titular em boa parte das partidas do time no Campeonato Brasileiro de Aspirantes, sob o comando do treinador Dado Cavalcanti.

A expectativa era de que entre dezembro de 2019 e janeiro deste ano a equipe da capital baiana adquirisse 80% dos direitos federativos do atleta junto ao Vitória da Conquista por R$ 250 mil. Geovane era esperado em Salvador para se apresentar junto com os outros jogadores da equipe sub-23 no dia 3 de dezembro, o que acabou não acontecendo. O vínculo contratual com o Bahia estava previsto até o final do Campeonato Baiano deste ano, que o tricolor vai disputar com o Sub-23.

Procurado, o presidente do Vitória da Conquista, Ederlane Amorim disse que oficialmente o goleiro ainda está emprestado ao Bahia. “Geovane está emprestado o Bahia. Se o Bahia não for ficar com ele, vai me notificar, vai conversar”, disse Amorim. Procurado, o empresário do atleta preferiu não comentar a respeito da negociação, assim como o próprio goleiro.

Geovane foi o goleiro titular do Vitória da Conquista no Campeonato Baiano 2019 (Divulgação | ASCOM ECPP)

Do Intermunicipal até o Bahia – Geovane chamou atenção do Vitória da Conquista após se destacar no Intermunicipal de 2018 pela seleção de Itamaraju. No Alviverde, ele disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior no início do ano passado e em seguida se tornou titular da equipe principal no Campeonato Baiano e acabou despertando o interesse do Bahia, que o contratou por empréstimo junto ao Bode.

Reforço no orçamento – A venda ao Bahia, com valor previsto em contrato, representaria um incremento de quase 50% nas receitas do clube que, segundo o seu presidente em entrevista concedida no início de novembro, tem a receita total de 2020 estimada em R$ 600 mil, entre cotas de patrocínio na camisa (hoje com 10 marcas), Plano de Sócio-Torcedor, bilheterias dos jogos como mandante, venda de camisas, loterias, placas de publicidade e cota de TV (Campeonato Baiano).

Ainda na entrevista, Ederlane revelou que a previsão de despesas aponta que, do montante arrecadado, R$ 200 mil serão gastos somente com as despesas extra-campo, ou seja, aquelas que não estão diretamente ligadas com o futebol, como o pagamento de impostos e salários do pessoal administrativo e equipe de cozinha, por exemplo. Sendo assim, sobram apenas R$ 400 mil para utilizar diretamente com o futebol, dos quais R$ 360 mil serão gastos com a folha salarial dos atletas somente no Campeonato Baiano. Logo, o time terá apenas R$ 40 mil para as despesas com futebol no período da Série D do Campeonato Brasileiro, que acontecerá entre 3 de maio e 22 de novembro, com 7 fases.

Por Guilherme Barbosa

Comentários