As contas que mostram por que nunca foi tão fácil ganhar uma vaga na Libertadores

Cruzeiro é atualmente o sexto colocado do Brasileirão e está na final da Copa do Brasil

Nunca foi tão fácil conquistar uma vaga na Copa Libertadores como no Brasileirão 2017.

Com a ampliação do número de participantes para a edição deste ano, a Série A classifica os seus seis primeiros colocados ao certame continental, a exemplo do que já aconteceu em 2016.

A diferença, contudo, é quanto ao desempenho dos líderes, bastante abaixo do esperado na atual temporada.

Hoje sexto colocado, o Cruzeiro tem 31 pontos, com aproveitamento de apenas 46,9% dos pontos.

O pior sexto colocado da história dos pontos corridos com 20 clubes havia sido o Internacional, em 2008, com apenas 47,4% de aproveitamento, enquanto em 2009 e 2012, Avaí e Corinthians terminaram nesta colocação com aproveitamento de exatamente 50%.

Ou seja: qualquer time pode chegar à sexta colocação com um aproveitamento inferior ao dessas equipes.

O equilíbrio da competição é tanto que são apenas três pontos que separam o Cruzeiro do Vasco, em 12º, e somente seis pontos para a Chapecoense, que está na zona do rebaixamento.

E não é só isso.

A edição de 2017 pode classificar nove clubes brasileiros, já que o Flamengo, em quinto, faz a final da Copa do Brasil com o Cruzeiro, em sexto. Ou seja: se ambos seguirem no G-6, mais uma vaga será aberta ao sétimo colocado.

Hoje, quem ocupa esse posto é o Botafogo, que disputa as quartas de final da Copa Libertadores contra o Grêmio, em segundo. O Santos, em terceiro, também continua na briga pelo título continental.

Caso um dos três também conquiste a taça, o Brasileirão classificaria ainda o oitavo colocado, atualmente o Atlético-PR.

Mas Corinthians, em 1º, e Flamengo ainda disputam o título da Sul-Americana, além de Fluminense (9º), Sport (10º), Ponte Preta (13º) e Chapecoense (17º).

Caso algum deles levante o troféu do certame e continue entre os líderes do Brasileiro, uma nova vaga será berta, dessa vez ao nono colocado.

Fonte: ESPN.com.br

Comentários