Ypiranga alega problema com parceiro e desiste da 2ª Divisão do Baiano

O Ypiranga divulgou, na tarde desta segunda-feira, que está fora da Segunda Divisão do Campeonato Baiano. Em nota para a imprensa, o clube revelou ter tido problemas com um investidor, que não teria honrado os compromissos firmados com a instituição.

– Ante a gravidade da situação, ficou totalmente inviabilizada a participação do clube na competição profissional, até porque há riscos graves à sua imagem, patrimônio e finanças. A medida, tomada com muito pesar, visa principalmente a preservação da própria competição profissional e foi adotada também em respeito aos demais Clubes coirmãos que dela participarão e da entidade organizadora do evento (FBF), além de todos os envolvidos no esporte, inclusive torcedores e imprensa – diz o texto.

De acordo com a nota oficial, o clube firmou um projeto de parceria para o futebol da equipe nesta temporada. O acordo teve a aprovação do conselho deliberativo do Mais Querido, entretanto, os compromissos financeiros não foram cumpridos em sua totalidade.

– O registro da empresa não foi viabilizado, ficando o Esporte Clube Ypiranga obrigado e responsabilizado por tudo, sem a necessária segurança jurídica. Os salários de funcionários, jogadores e membros da comissão técnica não foram honrados. O pagamento de fornecedores e outros compromissos descumpridos, inclusive com a emissão de vários cheques sem provisão de fundos, caracterizando, indubitavelmente, uma situação de possíveis práticas ilícitas e irregularidades, não admitidas ou coonestadas pela Diretoria Executiva e o próprio Conselho Deliberativo. Isso motivou a suspensão da relação e a necessidade de adoção de medidas judiciais e administrativas que o caso exige e que já estão sendo providenciadas, inclusive na esfera da Justiça Pública – acrescenta o texto.

A estreia do Ypiranga na Segunda Divisão do Campeonato Baiano estava marcada para o último sábado, contra o Teixeira de Freitas, no estádio de Pituaçu. No entanto, a Federação Bahiana de Futebol (FBF) havia adiado o duelo para quarta-feira. Sem o Ypiranga, agora são cinco equipes na luta por uma vaga na elite do futebol estadual em 2018: PFC Cajazeiras, Jequié, Teixeira de Freitas, Colo Colo e Atlético-BA.

Nota Oficial

Confira a nota oficial do Ypiranga

“O Esporte Clube Ypiranga, entidade esportiva e social centenária, diante da decisão tomada pela Diretoria Executiva, com o aval do Conselho Deliberativo, de não participar do Campeonato Baiano da Série B do ano de 2017, vem a público, em respeito à comunidade desportiva e torcedores, esclarecer as motivações que impuseram essa difícil, porém necessária deliberação.

Em função dos investimentos e da responsabilidade com os compromissos assumidos, o clube foi obrigado a repensar o futebol profissional e paralisar o respectivo departamento, a partir de setembro de 2016. Ocorre que o Esporte Clube Ypiranga foi procurado em dezembro de 2016 pelo Sr. João Vicente da Silva, que à época se apresentou como representante legal do Sr. Carlos de Castro Zamponi, suposto ‘investidor’ e sócio de outras empresas com sede no estado do Rio de Janeiro, que seria, por sua vez, representado contratualmente pela esposa do Sr. João Vicente da Silva, a Sra. Ana Paula Pereira Abdala Dib. A proposta era de projeto de parceria na gestão do departamento de futebol do clube, o que viabilizaria a participação do Ypiranga nesta edição do Campeonato Baiano da Série B 2017, assegurando os investimentos no time profissional e nas categorias de base, além de todos os recursos necessários para a logística, custeio de passagens e hospedagens, alimentação, contratação de equipe técnica, física, médica, atletas, etc.

A proposta foi submetida ao Conselho do clube e o “acordo” apalavrado, todavia depedente da criação de uma empresa de capital fechado, com prazo para registro e cronograma de investimentos estipulados previamente, que não foram cumpridos.

Após o início do cronograma, os parcos investimentos foram interrompidos. O registro da empresa não foi viabilizado, ficando o Esporte Clube Ypiranga obrigado e responsabilizado por tudo, sem a necessária segurança jurídica. Os salários de funcionários, jogadores e membros da comissão técnica não foram honrados. O pagamento de fornecedores e outros compromissos descumpridos, inclusive com a emissão de vários cheques sem provisão de fundos, caracterizando, indubitavelmente, uma situação de possíveis práticas ilícitas e irregularidades, não admitidas ou coonestadas pela Diretoria Executiva e o próprio Conselho Deliberativo. Isso motivou a suspensão da relação e a necessidade de adoção de medidas judiciais e administrativas que o caso exige e que já estão sendo providenciadas, inclusive na esfera da Justiça Pública.

Ante a gravidade da situação, ficou totalmente inviabilizada a participação do clube na competição profissional, até porque há riscos graves à sua imagem, patrimônio e finanças. A medida, tomada com muito pesar, visa principalmente a preservação da própria competição profissional e foi adotada também em respeito aos demais Clubes coirmãos que dela participarão e da entidade organizadora do evento (FBF), além de todos os envolvidos no esporte, inclusive torcedores e imprensa.

O Esporte Clube Ypiranga repete que adotará todas as medidas judiciais necessárias para ressarcimento dos prejuízos materiais e morais decorrentes do fato, contando com a compreensão da comunidade desportiva e certo que haverá de superar esse difícil momento.

Salvador, 17 de abril de 2017.

A DIRETORIA EXECUTIVA DO ESPORTE CLUBE YPIRANGA”

Por Globoesporte.com/Salvador

Comentários