Lista aí! Djalminha elege o jogo da vida e melhores parceiros, marcadores e técnicos

Djalminha tratava a bola com carinho incomum. Uma habilidade das mais puras que continuou sendo vista após a carreira nos jogos de showbol e, atualmente, nas intensas disputas de futevôlei. O craque de Flamengo, Guarani, Palmeiras, La Coruña e Seleção, hoje com 46 anos, bateu um papo rápido com o blog apontando os melhores parceiros (como Luizão – na foto ao lado em momento de lazer postado por Djalma no instagram), marcadores, treinadores e o jogo da vida. Perguntou, respondeu. Jogo rápido.

Se arrepende daquela cabeçada no técnico do La Coruña – Javier Irureta – que te tirou da Copa de 2002?

Não me arrependo do que eu fiz. Ele me xingou. Mas ao mesmo tempo esse gesto não é exemplo nem modelo para ninguém. Foi uma atitude de momento e não me arrependo. Tem que assumir as consequências.

Melhores parceiros que teve em campo: Muller, Luizão e Makaay


Melhores marcadores:
Maldini, Makelele e Amaral

Melhores treinadores: Vanderlei Luxemburgo, Carlinhos e Jair Pereira

Melhor atuação da carreira: “Naquele Palmeiras 5 a 1 no Fluminense, em Londrina. Consegui fazer três gols e foi um jogo inesquecível para mim”.

Por que não existem mais tantos jogadores habilidosos como você atualmente?

Tem caras habilidosos na base que estão sendo preteridos para que se dê espaço aos maiores e mais fortes. Uma pena.

Quem jogou mais? Ronaldo ou Romário?

Eu tenho a minha opinião, mas não posso falar (risos). Vou ficar no muro.

Por Bernardo Pombo

Comentários