Federação lucra mais com o Flamengo do que o próprio Flamengo com bilheteria

Em um Campeonato Carioca cada vez mais minguado, com 2.780 pagantes por jogo e 23% de ocupação nos estádios nesta temporada, só a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) vem conseguindo lucrar com bilheterias no torneio.

Nesta edição, a Federação faturou mais até do que o time de maior torcida do Rio, o Flamengo.

Até agora, o órgão ganhou, só nos jogos do Fla, através da cobrança de taxa, R$ 347 mil. O clube rubro-negro, por sua vez, lucrou “apenas” R$ 327 mil com bilheteria no Estadual.

No jogo de maior público envolvendo a equipe da Gávea (a final da Taça Guanabara, contra o Fluminense), por exemplo, a renda foi de R$ 1.258.830,00, mas a despesa também foi gigantesca: R$ 892.113,89 – R$ 121.377,00 só na taxa da Ferj.

Por este jogo, o Flamengo embolsou apenas R$ 149.174,35 (já que ainda pagou R$ 27.503,71 em penhoras e R$ 6.680,00 em antidoping), ou seja, só R$ 28 mil a mais que a Federação.

Já em seu jogo de pior bilheteria até agora, contra a Portuguesa-RJ, pela 1ª rodada da Taça Rio, o Rubro-Negro tomou prejuízo, enquanto a entidade que rege o campeonato lucrou.

Neste jogo, a renda total foi de apenas R$ 30.980,00, enquanto as despesas foram de R$ 108.950,00.

Quem bancou a diferença do bolso foi o Flamengo, que pagou o prejuízo de R$ 77.970,00, mais o antidoping de R$ 7.430,00, e saiu com R$ 85.400,00 a menos na conta.

A Ferj, por sua vez, terminou essa partida recebendo R$ 2.572,00 em taxa.

Vale lembrar que, no Rio de Janeiro, a renda dos clássicos é dividida igualmente, independentemente do mandante.

Em Botafogo x Flamengo, por exemplo, houve receita de R$ 867.160,00 e despesas de R$ 747.146,44 – incluindo a taxa de R$ 83.462,00 da Ferj.

No final, os R$ 120.013,56 restantes foram divididos em dois, sobrando R$ 60.006,78 para cada clube. Portnato, R$ 23 mil a menos que o que a Federação conseguiu.

A taxa da Ferj, aliás, é uma das mais altas do país: 10%. Muito maior, por exemplo, do que a da FPF (Federação Paulista de Futebol), que é de 5%.

O desisteresse da torcida do Flamengo no atual Carioca, aliás, é notório. No último jogo, contra o Resende, por exemplo, foram só 2.667 pessoas presentes, sendo 1.553 pagantes. Isso gerou uma renda de R$ 38.230,00 e despesas de R$ 106.560,45, ou seja, prejuízo de R$ 68.330,45.

No fim das contas, o time da Gávea terminou o duelo com R$ 34.762,18 a menos no bolso, enquanto a Federação levou R$ 3.473,00 de taxa.

Por ESPN

Comentários