Corinthians e Cruzeiro disputam hegemonia de taças nacionais nos anos 2000

Nenhum outro time brasileiro ergueu mais troféus da elite do futebol brasileiro nos anos 2000 que Corinthians e Cruzeiro. Entre Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, paulistas e mineiros somam seis conquistas cada. E, nesta quarta-feira, a partir das 21h45, na Arena Corinthians, um deles vai se tornar soberano em taças nacionais nesse período. Na finalíssima da Copa do Brasil deste ano, a vantagem é do Cruzeiro, que venceu o duelo de ida, no Mineirão, por 1 a 0, e pode até empatar para conquistar o sétimo título. Porém, o Corinthians vai atuar em casa e conta com a força da torcida para tentar virar esse jogo.

Lance de Cruzeiro x Corinthians, pela Copa do Brasil 2018. Foto: Vinnicius Silva

A caminhada de títulos nesse período foi aberta pelo Cruzeiro. Em 2000, a Raposa levou a Copa do Brasil em uma final emocionante com o São Paulo. O gol que valeu o troféu saiu nos minutos finais, em cobrança de falta de Geovanni. Dois anos depois, em 2002, foi a vez do Corinthians ficar com a taça da Copa do Brasil, superando o Brasiliense.

Aqueles primeiros anos de 2000 foram especiais para o Cruzeiro. Em 2003, o clube conquistou a histórica Tríplice Coroa, somando um Campeonato Brasileiro – o primeiro da era dos pontos corridos – e mais uma Copa do Brasil – em cima do Flamengo -, além do Campeonato Mineiro.

A Raposa viveria, depois da conquista da Tríplice Coroa, um hiato de uma “década”. Foi quando o Corinthians mostrou força. Em 2005, foi Campeão Brasileiro. Em 2009, alcançou mais um título da Copa do Brasil, na decisão contra o Internacional. Dois anos depois, chegou novamente ao topo do futebol nacional, com a conquista do Brasileirão de 2011.

Em 2013 e 2014, o apogeu foi celeste. O Cruzeiro ressurgiu com autoridade. Não teve para ninguém no Campeonato Brasileiro. A Raposa foi bicampeã.

Depois da dobradinha do Cruzeiro, o Corinthians voltou a dominar, com os títulos dos Brasileirões de 2015 e 2017, fechando a soma de seis conquistas nacionais desde 2000.

Agora, frente a frente, cada um com seis taças da elite nacional, a dupla vai brigar pela supremacia. E tem muito mais em jogo. Vale troféu, vale vaga na Libertadores do ano vem. Vale um prêmio de R$ 50 milhões, o maior da história do futebol brasileiro. Quem leva essa?

Por Globoesporte.com

Comentários