54,54% dos times do Baianão 2017 já trocaram de técnico

Odilon pediu para sair do Galícia | Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias

O futebol vem mudando ao longo dos anos. Neste processo de evolução, ideias e conceitos foram modificados. A manutenção do treinador, como forma de investir num trabalho a longo prazo, é um dos assuntos mais consolidados na modalidade. No Campeonato Baiano, no entanto, essa revolução ainda caminha a passadas lentas.

Em cinco rodadas do atual estadual, seis técnicos já saíram de seus cargos, entre demissões e pedidos de desligamento. Nada mais que 54, 54% dos times do segundo estadual mais antigo do país já trocaram seu comando técnico.

O número é o mesmo do Baianão 2016, quando seis agremiações praticaram tal mudança no banco de reservas.

Neste ano, o mais novo time órfão de um técnico é o Jacobina. Ricardo Silva pediu para sair e deixou o Jegue da Chapada sem um comandante pela segunda vez na temporada – dias antes do início da competição, Paulo Sales já havia aceitado uma proposta do futebol paraibano – pouco depois, ele acertou com a Juazeirense.

Coincidentemente, apenas os quatro primeiros colocados da tabela e o Jacuipense, com Clebson Beleza, mantiveram seus treinadores desde o início de suas pré-temporadas – o Vitória com Argel Fucks; o Bahia, com Guto Ferreira; o Fluminense de Feira mantém Arnaldo Lira; e o Vitória da Conquista segue com Eduardo Bahia, campeão da Copa Governador do Estado 2016.

Confira o comparativo abaixo:

2016

Juazeirense – Sérgio Araújo (Evandro Guimarães)

Colo Colo – Fernando Dourado (Gilmey Aimberê)

Jacobina – Edson Ferreira (Paulo Sales)

Jacuipense – Clebson Beleza (Paulo Foiani)

Feirense – Henry Lauar (Ionay da Luz)

Vitória da Conquista – Evandro Guimarães (Sérgio Araújo)

2017

Bahia de Feira – Jaelson Marcelino (Quintino Barbosa)

Atlântico – George Santos (Roberto Gaúcho)

Juazeirense – Quintino Barbosa (Paulo Sales)

Flamengo de Guanambi – Duzinho (Fernando Dourado)

Galícia – Sérgio Odilon (?)

Jacobina – Ricardo Silva (?)

Por Matheus Caldas

Comentários